WAN Awards 2012: Rockeheim

Rockheim, o museu nacional norueguês de pop e rock, foi inaugurado em agosto de 2010 e participou da disputa pelo prêmio de Reutilização Adaptativa WAN Awards 2012.

O ponto de partida para o projeto vencedor da Pir II AS foi um armazém criado em 1920, cujo valor histórico se limitava a ser um marco importante do porto. O elemento chaves do briefing da competição era entregar um projeto de edifício que fosse bravo e provocativo, assim como a natureza do rock’n roll.

Como se viu, o projeto gerou certa quantidade de bravura da autoridade de preservação local também.

O conceito geral da transformação foi de mostrar a história do edifício da forma mais honesta possível. Isso significou ter uma clara distinção conceitual entre o que é novo e o que é antigo, mas também preservar o máximo possível do interior e exterior do edifício existente. Por isso, o Rockheim foi articulado em três partes principais; a caixa superior, a caixa lateral e o armazém original.

As instalações públicas estão localizadas nas áreas visíveis do térreo e no intervalo transparente entre o armazém e a caixa superior, enquanto que uma área para funcionários fica no meio do edifício antigo.

A caixa superior é o espaço de exposição principal, e está coberta de painéis de vidro impressos com capas de álbuns históricos da música pop norueguesa, iluminados à noite por 13 mil LEDs controlados individualmente, com troca de imagens e cores. Foram também desenvolvidos sistemas para os visitantes do parque municipal em frente interagirem com as telas LED a partir de celulares.

A caixa preta mais baixa, um local para música, será coberta ao longo do tempo com trepadeiras.

A análise dos entre espaços foi importante, e eles foram desafiados pela falta de espaço disponível para construção. Os limites dimensionais exteriores foram um fator importante neste projeto: não havia nenhum espaço livre nem na frente nem na parte de trás do edifício.

Construir no topo do armazém era a única opção disponível para permitir um programa de construção que seria cerca de duas vezes o tamanho do edifício existente.

Por contarem uma história importante, as superfícies interiores e exteriores da fachada foram preservadas. As superfícies dos feixes e colunas interiores foram mantidas sem tratamento pelo mesmo motivo. O telhado antigo foi removido para dar lugar ao chão transparente do café, como espaço divisor entre o velho e o novo.

O prédio antigo é um bruto que foi construído para fins pesados, então a atitude na construção também foi brutal, quase um teste de quanto impacto o edifício poderia aguentar. Um dos conceitos principais na construção foi o de mostrar as “feridas” onde foram feitas mudanças e extrações da estrutura original.

Junto com os turistas que visitam o prédio e exposições, eventos como concertos e exposições temporárias vão manter o povo da cidade de Trondheim revisitando o Rockheim. A vista do restaurante mostra um panorama impressionante do centro da cidade de Trondheim, o porto central e de um fiorde.

Artigo traduzido e adaptado de WorldArchitectureNews.com.